domingo, 15 de maio de 2011

Assim no Céu como na Terra - Capítulos 14 e 15

CAPÍTULO 14 – Reconstrução em Conjunto

Depois de algumas horas, eles estavam de volta, e algo estranho os aguardava. Tudo estava em completo desalinho, parecia até que era uma outra cidade.
Nossa, será que chegamos ao lugar certo? Até parece que um furacão passou por aqui.
Nós recebemos a visita de alguns revoltosos que queriam causar tumulto ─ Esclareceu Irmã Átila.
De onde eles vieram?
Vieram das outras moradas mais abaixo, perto dos vales. Mesmo fazendo toda essa bagunça aqui, eles não conseguiram passar da barreira de proteção, que fica mais adiante. Só fizeram desordem nos campos. Descamparam alguns trechos, derrubando árvores, mas Irmão Gabriel conseguiu dissolver a turba.
Sempre o nosso amigo Gabriel. O que será de nós quando ele não estiver mais aqui?
Não sei, filha, de qualquer modo, ele retornará em breve para a Terra. Mas, Irmão Miguel o substituirá.
Eu que não quero ir mais para a Terra.
Amélia, devemos ir quando for a hora.
É ruim, hein! Vou ficar por aqui.
Deixe-a, Luísa, ela ainda tem muito a aprender...
Falando nisso, Zefinha, teremos ótimos cursos nesses próximos meses. Todos vão participar. ─ Disse Luísa.
Tem razão, há cursos muito bons para fazermos. Mas, antes de qualquer coisa, temos que reorganizar a colônia, que está um caos.
A partir de então, todos trabalharam com muito afinco para restaurar Novo Horizonte, que aos poucos, começou a ganhar um novo aspecto.
Agora sim, isso está ficando com cara de um lugar decente!
Realmente, depois de tanto trabalho, conseguimos deixar até melhor do que estava antes. ─ Disse Zefinha.

Após a reconstrução da cidade, Amélia passou a se distrair mais e a aprender várias coisas interessantes de uma maneira que nunca tinha visto na Terra, o que contribuiu para deixá-la mais feliz.
Certo dia, ela passeava com Angelina, que também estava revigorada e auxiliava na harmonização dos lares na Terra quando, de repente foi chamada por Neide, a recepcionista do Hospital:
Irmã Amélia, você tem visita!
Visita? Mas quem iria querer me ver?
Uma pessoa amiga.
Ainda bem que não é inimiga...
Quando chegou à sala de visitas, ela encontrou Joseph, que estava sentado no sofá.
Joseph? Por aqui novamente?
Eu disse que voltaria.
Você soube de minha mãe?
Sim, ela está muito feliz, mas daqui a alguns anos irá voltar para a Terra.
Ora, que mania de vocês em voltar, voltar...
Mas, Amélia, é assim que colocamos em prática nossas missões. Eu também voltarei para lá em breve. Essa será a minha última visita a você.
Você não pode adiar nem um pouco?
Ainda não está tão próximo. Preciso me preparar melhor, pois quero ser uma pessoa de bem.
Mas você já foi!
Quero ser ainda melhor. Tenho uma boa notícia: vou passar uns dias aqui. Ficarei na casa de um amigo também e poderei fazer um curso de ajuda fraterna durante quinze dias.
Isso não é quase nada.
Mas vamos aproveitar para conversar um pouco até eu ir.
Bem, seria ótimo, eu nunca me distraio aqui, só ouço baboseiras...
Mas, aqui é um bom lugar, é só saber procurar as belezas que estão escondidas.
Beleza? Que beleza?
Nunca soube que existem lagos e praias maravilhosas aqui? E também há ótimos cinemas.
É mesmo? Esse tempo todo aqui e eu nunca vi nada disso!
É sim, mas, antes devemos ir aos cursos que serão dados na próxima semana. Nunca perco um na minha cidade, são muito interessantes.
─ Os que eu vi são realmente muito bons.
─ Então, vamos nos matricular?
Sim, Já que vamos lá, podemos aproveitar também para conhecer as salas de aula.
Salas de aula? Será ao ar livre, em um campo! Vejo que você ainda tem muito para conhecer aqui.
Como você conhece tudo isso? Já morou aqui?
Passei uns meses aqui, na casa de um grande amigo.
É mesmo, de quem?
Do Carillo.
O Dr. Carillo?
Sim, ele é uma ótima pessoa.
Não me lembro bem dele.
Agora ele se mudou para outro lugar e casou-se com uma moça muito bondosa.
Essa não! Ainda preciso aprender muito para me acostumar com as coisas daqui. Até parece que estou sonhando, é muito estranha essa história de noivado e casamento aqui em cima.
Por isso precisamos estar sempre nos atualizando.
Você sabe por que não consegui visitar os meus parentes do sul?
Imagino. Eles devem estar em desarmonia e vê-los não seria bom para você.
O quê poderia me acontecer?
Você nem imagina. Nunca teime com os benfeitores, o que eles fazem é para nos ajudar. Mas, nós só conseguimos entender mais tarde.
Você e sua paciência de Jó...
Amélia, vamos aproveitar o tempo para nos informar melhor sobre as coisas, não sei quando nos veremos outra vez.
Nem fale isso, já estou com saudades!
E após alguns meses, Amélia se despediu de Joseph, pois ele deveria ficar em um lugar quase que isolado, para se inteirar de sua nova missão na Terra.


 
CAPÍTULO 15 – Alguns Ajustes


Todos estavam bem na Colônia Novo Horizonte. Parecia que tudo voltava ao normal, as ondas de revolta já não os perturbava mais. Depois de alguns irmãos terem ido para os vales com a missão de esclarecer os moradores, eles já não se rebelavam e conseguiam conviver com mais harmonia. Alguns, mais exaltados, eram encaminhados para outro setor, próximo aos campos e lá ficavam aprendendo com a natureza e com os benfeitores que ministravam aulas para eles. Só mesmo os emissários, com muita calma e habilidade, para conseguir conter os revoltosos.
O dia amanheceu ensolarado e Angelina convidou Amélia para um passeio nos jardins, quando Irmã Luísa a pediu que viesse à sala de estar.
O quê será dessa vez?
Não se preocupe, deve ser alguma notícia boa ─ Tranquilizou-a Angelina.
Ao chegar lá, Irmã Luísa foi logo dizendo que tinha uma novidade para elas e estava certa de que iriam gostar.
Então diga logo! Estamos muito curiosas.
Calma, Amélia, já vou dizer: tenho ordens superiores para dar alta a Angelina e sugiro que ela fique no chalé com você.
Que ótimo! Vou ter alta!
Isso seria bom, mas Zefinha que é a dona da casa. Já falaram com ela?
Zefinha vai descer novamente para Terra em breve.
Mais essa não!
Será para o próprio bem dela. Zefinha tem coisas para refazer. Além disso, ela vai deixar a casa com você.
Onde ela está agora?
─ Fazendo um breve curso. Quando voltar, só ficará aqui por mais alguns dias. Amanhã, se Angelina quiser, já pode ficar lá até achar algum parente. Ah, já ia me esquecendo: Dona Graça vai ter alta também e creio que ela poderia ficar com vocês, não é?
Ah, não. Essa aí é completamente lunática!
Mas, Amélia, ela é bem divertida, acho que não teremos problemas ─ Disse Angelina.
Se você acha...
Ela ficará por pouco tempo, logo logo também irá retornar.
Coitados dos próximos pais dela.
Amélia, não seja pessimista.
E Naiara?
Está ainda irá ficar por um bom tempo, até que tome consciência de que não estamos aqui só para fazer a vontade dela. Certa vez tentou até subornar um vigia para usar um celular e falar com seu filho.
Coitada, ainda está demente...
Mas, isso passará logo.
Assim espero, ou terei que mandá-la para outro lugar.
Não façam isso! Se quiser, posso tomar conta dela, assim como Irmã Amélia tomou conta de mim.
─ Pensando bem, talvez isso pudesse mesmo ser bom para ela. Depois conversaremos mais sobre isso. Bem, meninas, amanhã é o dia de Angelina se preparar para a mudança.
Só então, a presença de Dona Graça foi notada. Ela havia acabado de entrar na sala e foi logo dizendo:
Eu posso ir morar com vocês, mas vou avisando logo: só durmo com a luz acesa, pois tenho medo das bruxas...
Dona Graça, por aqui não existem bruxas!
Mas eu já vi uma na montanha dourada. Quando morava lá, me assustava com seus gritos.
Montanha dourada? Onde fica isso?
É um lugar bem distante daqui. Essa montanha é muito alta e também muito clara, mas sua claridade não vem do sol. Dona Graça morou lá antes de vir para qui.
E lá existem bruxas?
Há lugares em que a imaginação é muito fértil e os irmãos com pouco conhecimento imaginam que são seres sobrenaturais. Mas, isso são apenas suas vibrações. Dona Graça, de agora em diante tente esquecer tudo isso. Você fará novas amizades aqui e vai aprender muito mais.

Nos dias seguintes, Graça se mudou para a casa de Zefinha. Sua adaptação, ao contrário do que esperava Amélia, foi muito rápida, e logo, as três se entrosaram. Em pouco tempo, Angelina, e Amélia estavam felizes e se divertindo no chalé com as maluquices de Dona Graça, Mas, a notícia de que Naiara iria se mudar para outra cidade deixou-as tristes e preocupadas com a amiga.
Naiara não conseguiu se adaptar à Colônia Novo Horizonte. Ela ainda teimava em não ouvir os conselhos dos irmãos Miguel e Josué, que tentavam colocá-la num curso de vivência social comunitária. Angelina também passava horas ensinando Naiara a ter um comportamento mais harmônico com todos.
A gota d’água foi quando ela saiu gritando nervosa pelos corredores do hospital, dizendo que a enfermeira, a irmã Jacobina, tentou matá-la misturando leite com veneno. Tudo isso, só por que a diretora pediu para que tomasse o seu remédio na hora certa, e parasse de tentar se comunicar com seu filho pelo celular.
Jacobina ficou muito triste em pensar que pudesse causar uma reação de medo em alguém. Os irmãos superiores disseram que Naiara deveria passar uns tempos em outra cidade para poder avaliar melhor sua conduta e só poderia voltar para Novo Horizonte quando estivesse bem harmonizada com todos. Ela ficou chateada, mas teve que obedecer às ordens superiores, pois sabia que sua rebeldia poderia causar tristeza para seus amigos.
Angelina e Amélia pediram para visitá-la na outra cidade, mas irmão Miguel hesitou e ficou de pensar no assunto. Ele achava que Naiara deveria passar uns tempos longe dos conhecidos e fazer novas amizades. Resolveu, entretanto, deixá-las visitarem apenas quando Naiara estivesse mais tranquila. O tempo passava lentamente na colônia e finalmente Zefinha voltou de sua preparação e já estava prestes a ir para Terra. Ele teve uma passagem rápida, apenas para se despedir dos amigos. E, todos desejaram que ela fosse muito feliz em sua jornada.
Pouco depois, Amélia recebeu notícias de como sua amiga estava:
Que boa notícia, Luísa. Nossa amiga já está cumprindo o seu novo projeto. Nasceu como filha de Mariana, que era sua neta e Joana, que foi a sua filha, ficou muito feliz em recebê-la como netinha. Mariana já estava casada há certo tempo e queria muito ter um filho. Que seja um começo feliz para todos.
Bem, ninguém quer me dar notícias de Joseph... Onde será que ele renasceu?
Talvez seja melhor só sabermos o que é permitido.

Angelina conheceu um rapaz muito bondoso, chamado Joaquim. Ele ia visitá-la todos os dias em sua casa. Sempre que podiam, saiam para passear nos campos e observavam os animais. Joaquim foi um ótimo veterinário em sua última estada na Terra. O casal seguia sempre os conselhos de irmã Maria e irmão Paulo, que eram os conselheiros dos casais que futuramente iriam se encontrar na Terra.
Os amigos estavam felizes com ambos, mas Angelina persistia em sentir ciúmes de Joaquim, pensando que poderia perdê-lo. Amélia sempre a aconselhava a viver o presente sem se preocupar tanto com bobagens.
Angelina, pense no quanto está feliz. Você sofre por antecedência, devemos nos preocupar só quando as coisas acontecerem e não imaginar que poderão acontecer um dia.
Para você tudo é tão simples.
Sim, eu ajo sempre com muita simplicidade, por isso as pessoas me acham meio doida.
Você é muito legal, mas não consigo ser assim.
Não precisa ser igual, mas tente pelo menos ouvir seu coração e confiar mais em você.

Enquanto as duas conversavam, Dona Graça entrou na sala, dizendo que também queria arrumar um noivo.
Dona Graça, tudo tem a sua hora. Quando chegar a sua, pode ser que conheça alguém que goste.
Eu conheci um senhor muito legal. Chama-se Levi. Ele era meio careca, mas...
E você sabe onde ele está agora?
Não, mas gostaria de saber.
Angelina, não dê asas a ela, você sabe como Dona Graça é muito fantasiosa.
Por que não posso ter um noivo também?
O quê eu quero dizer é que quando você estiver preparada para voltar à Terra, terá um se for o caso. Mas agora tente aprender mais e melhorar rápido para que possa receber boas energias.
Ah, vou para o meu quarto.
Amélia, tenha calma, Dona Graça ainda não se recuperou de todo e você sabe que ela voltará para a Terra, mas não se casará dessa vez. Deverá viver como uma enfermeira, cuidando dos outros. ─ Disse Angelina.
Fale baixo, pois quando ela souber, não sei o quê fará.
Creio que vá entender.
Não, Eu acho que vai relutar, ela se sente muito solitária.
Mas ela terá vários amigos, será muito popular.
Imagino, ela é uma figura fantástica.
Amélia, você teve notícias de Naiara recentemente?
Ainda não, mas teremos permissão para visitá-la em sua nova cidade.
E quando será isso?
Em breve, dentro de alguns dias.
Será que vamos nos sentir bem lá?
Irmã Átila nos disse que nas primeiras horas podemos sentir vertigens, mas logo tudo passará. Fica próximo daqui, só levaremos algumas horas.
E quanto tempo vamos passar lá?
Só uma semana. Ela já foi avisada de nossa visita.

Na cidade em que Naiara estava vivendo, encontrou por acaso, a sua prima, Julieta e passou a morar com ela em uma pequena casa. Mas, Julieta estava prestes a retornar à Terra. E, em breve, Naiara irá receber seu marido, embora ainda não soubesse. Apesar das mudanças, ela estava se adaptando melhor nesse novo lugar.
─ Não vejo a hora de visitar nossa amiga!
E eu também.











5 comentários:

  1. Será que é assim mesmo?
    É difícil saber.
    bjs e um bom domingo

    ResponderExcluir
  2. Verinha. Vim lhe agradecer a visita ao Arca. Ainda não tive tempo de ler seu blog, amiga. Me perdoe. Tenho que lê-lo desde o início para entender e no momento, o que mais me falta é tempo. Mas não perco a esperança. Beijos e tenha uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  3. Olá Verinha! Saudações Literárias...
    Passei por aqui e achei muito bem cuidado e interessante o seu espaço.
    Parabéns!
    Sempre que eu puder voltarei para ver as novidades.
    ♥ Abraços de Luz.

    ResponderExcluir
  4. Olá amiga querida!
    Estou adorando essa história!
    Beijosssssssss

    ResponderExcluir
  5. Olá.
    Obrigado pela sua visita.

    O coração lindo vai convidar toda a paz.
    Sossegado riacho paisagismo ...

    forte abraço, do Japão.
    ruma

    ResponderExcluir